Mostrar/Ocultar menu

27/06/2014

A PAZ

"FELIZES OS QUE PROMOVEM A PAZ, PORQUE SERÃO CHAMADOS FILHOS DE DEUS" (Mt 5,9)

A PAZ é um dom de Deus. Somente Ele pode nos dar a PAZ como um dom e uma tarefa. Ele não nos dá em plenitude, mas como tarefa; cabe a cada um de nós, cultivar esta paz e levá-la à sua plenitude.

Basta olharmos ao nosso redor para percebermos a violência, o ódio, a divisão, o egoísmo que há no coração do ser humano, embora tenha sido criado para o AMOR, à medida do amor, à imagem de Deus.

Trabalhar pela paz significa construir a unidade, a fraternidade, a relação com Deus, com os outros e consigo mesmo. A Paz é um dom de Deus que enche o coração de harmonia.  Trabalhar pela Paz, é comunicar ao interior do ser humano esta harmonia que só Deus pode dar. É anunciar àqueles que sofrem, novos tempos. Viver a Paz, é ser uma Boa Nova para os outros. Transmitir a Paz, será despertar a esperança no coração daqueles que sofrem e não somente buscar a nossa própria tranquilidade. Viver a Paz, não é simplesmente viver numa boa, tranquilamente; é viver com os outros, especialmente com os mais pobres.

A FRATERNIDADE É FUNDAMENTO E CAMINHO PARA A PAZ. Paulo VI afirma que tanto as pessoas como as nações se devem encontrar num espírito de fraternidade. E explica: “Nesta compreensão e amizade mútuas, nesta comunhão sagrada, devemos trabalhar juntos para construir o futuro comum da humanidade”. Este dever recai primariamente sobre os mais favorecidos. As suas obrigações radicam-se na fraternidade humana e sobrenatural, apresentando-se sob um tríplice aspecto: o dever de solidariedade, que exige que as nações ricas ajudem as menos avançadas; o dever de justiça social, que requer a reformulação em termos mais corretos das relações defeituosas entre povos fortes e povos fracos; o dever de caridade universal, que implica a promoção de um mundo mais humano para todos, um mundo onde todos tenham qualquer coisa a dar e a receber, sem que o progresso de uns seja obstáculo ao desenvolvimento dos outros.

O Papa Francisco sublinha que a solidariedade cristã pressupõe que o próximo seja amado não só como ser humano com os seus direitos e a sua igualdade fundamental em relação a todos os demais, mas como imagem viva de Deus Pai, como um irmão.

Para São Vicente de Paulo “O Reino de Deus é a Paz no Espírito” (Coste I, p. 114). Jesus Cristo “é um Deus de Paz e desceu do céu à terra para trazer a Paz” (Coste X, p. 150). É necessário pois, recorrermos a Ele insistentemente “para que apraza a Deus no-la dar, fazendo cessar a guerra que aflige o pobre povo há tanto tempo”. Vicente de Paulo exortou continuamente tanto os Padres como as Irmãs a pedir a paz por meio de diferentes ações e compromissos. É necessário pedir a Paz ao bom Deus de Amor e de Misericórdia com oração e jejuns.

“Bem-aventurados aqueles que buscam a Paz, porque encontrarão Cristo nos pobres.”

 Que Maria, a Mãe de Jesus, nos ajude a compreender e a viver todos os dias a fraternidade que jorra do coração do seu Filho, para levar a Paz a todos os corações de nossos irmãos e irmãs.

 

Irmã Leonides Selhorst

Visitadora