Março 2017: o "AmorAção" como atitude de fé

Educação • 01/03/2017

AMOR: UMA ATITUDE DE FÉ!

Pastoral Escolar Vicentina – Província de Curitiba

Seguindo o itinerário mensal proposto pelo projeto pedagógico-pastoral “Amor-Ação”, em março somos convidados/as a refletir sobre o amor como uma atitude de fé. Embora observarmos características distintas nestas duas virtudes teologais – fé e caridade - sem ignorar suas especificidades, olhamos para a profunda conexão que há entre ambas. As Escrituras nos testemunham que, junto com a esperança, a fé e a caridade permanecem para sempre (cf. 1 Cor 13, 13b), sendo esta última a maior das virtudes, aquela que anima e inspira todas as demais, “ a fonte e termo de sua prática cristã” (CIC, n. 1827)[1].

São Vicente de Paulo nos dizia que “[...] tudo converge para o amor [...] É preciso que as luzes do alto nos elevem para nos fazer ver a altura e profundidade, a largura e excelência deste amor” (SVP XII, p. 260). Essa inspiração de nosso Fundador nos ajuda a vislumbrar que o entendimento de amor-caridade a que somos chamados/as a assumir não se sustenta num conceito meramente sentimental, ou em um valor humano de bem-querer. Nossa compreensão de caridade, contudo, se situa na ordem da Graça, ou seja, da relação e comunicação de puro dom e gratuidade que Deus estabelece conosco, e à qual respondemos pela fé. A fé é, assim, nossa resposta livre e generosa à iniciativa de Deus que no amor se revela e que, entre seus muitos atributos, é essencialmente Amor (cf. 1 Jo 4,16b).  Sendo um ato pessoal, mas não isolado, a fé é uma graça que Deus nos concede e a qual assumimos pela inteligência e pela vontade (CIC, 153. 155). Assim, é por ela que compreendemos a fundo o significado e as implicâncias da caridade que, além de ser um dom, é igualmente, o mandamento novo dado por Deus em Jesus (Jo 13, 34-35) e traduzido no serviço (cf. Jo 13, 14-15).

Se entendemos que a educação é para nós o caminho para o testemunho e realização do amor-caridade, nossa missão educativa é, igualmente, uma tarefa que assumimos pela fé. O integral e integrado desenvolvimento das competências e habilidades cognitivas, humanas, relacionais, ecológicas, não só dos/as educandos/as, mas da comunidade educativa como um todo, situa-se no horizonte da realização plena da pessoa humana, cujo sentido último reside no coração e no projeto do próprio Deus. Educar amando e amar educando significa, então, que imprimir uma atitude de transcendência às nossas práticas pedagógicas e pastorais. Esta dimensão, entretanto, não significa negação ou isolamento do mundo e de suas relações históricas, mas a disposição de ir a fundo em seu sentido e finalidade.

No cotidiano da escola, o amor-caridade como atitude de fé se expressa na confiança pessoal e comunitária de que a missão educativa é um caminho promoção e defesa da vida digna para todos/as, síntese do projeto do Reino, assumido por nós na fé; no reconhecimento da dignidade do/a outro/a como imagem e semelhança de Deus e, por isso, digno de respeito, cuidado e oportunidades; na acolhida celebrativa da diversidade de dons, personalidades e trajetórias, como expressão da criatividade dinâmica do Espírito; no cultivo e zelo pela espiritualidade e mística do cotidiano, capaz de discernir com lucidez e justiça o melhor para cada situação.

Comemorando 400 anos do Carisma Vicentino, olhamos para nossa história com júbilo, reconhecendo em nossos Fundadores e em todos aqueles/as que com eles cooperaram, autênticos testemunhos da caridade vivida na fé.

 

- Para inspirar nossa reflexão e ação, uma sugestão de vídeo: <https://www.youtube.com/watch?v=zEUqKVyzEHE>. (Acesso em: 27 fev. 2017; legendas em inglês).

- Que relação podemos estabelecer entre o “Amor-Ação” como atitude de fé, e as atitudes observadas no vídeo?

Oração:

Senhor, vem fazer da nossa vida um templo do Espírito Santo.

Dá a cada um de nós os frutos do Espírito: o amor, a alegria, a paz,

a paciência, a bondade, a fidelidade.

Que o Espírito Santo fale através da boca dos teus servidores,

os que proclamam a tua Palavra.

Envia o teu Espírito Consolador a todos os que estão na aflição.

Envia o teu Espírito Consolador a todos os que são vítimas de injustiça.

Livra todos os povos do ódio e da guerra.

Reúne todos os povos pelo sopro do teu Espírito.

 

 

Señor, ven a hacer de nuestra vida un templo del Espíritu Santo.

Danos a cada uno los frutos del Espíritu: el amor, la alegría, la paz,

la paciencia, la bondad, la fidelidad.

Que el Espíritu Santo hable por la boca de tus servidores que proclaman tu Palabra.

Envía tu Espíritu Consolador a todos los que están desamparados.

Envía tu Espíritu Consolador a todos los que son víctimas de la injusticia.

Preserva del odio y de la guerra a todos los pueblos.

Reúne a todos los pueblos con el soplo de tu Espíritu.

(Fonte: Taizé – www.taize.fr )



[1] Catecismo da Igreja Católica